55 (47) 3241-0800

Blog da Printbag

conteúdo para a sua marca e você

O impacto do design na embalagem

23 de julho de 2019

Quando um consumidor vai até o varejo fazer compras, a embalagem geralmente é o seu 1º contato,
não só com o produto no ponto de venda, mas com a marca. A seguir, entenda como
o design pode ser responsável pelo sucesso da embalagem.

Embalagens como estratégia de marketing

Comece a olhar para as embalagens como uma estratégia que pode potencializar a sua marca. Vistas como ferramentas de marketing, elas podem ser decisivas em uma decisão de compra. Uma pesquisa divulgada pela Confederação Nacional das Indústrias, publicada pelo Sebrae, revelou que 75% das empresas que investiram em design tiveram crescimento nas vendas.

Proposta de valor

A sua marca tem uma proposta de valor que oferece ao público? Ela ainda não tem essa definição? Calma, isso é comum. Mas precisa mudar. Por isso, comece a pensar sobre o que a sua marca oferece de melhor ao seu público. Entender quem ela é, qual a sua missão e qual a sua proposta é o primeiro passo para a criação de uma embalagem de sucesso. Afinal, a proposta de valor deve ser comunicada nela de alguma forma.

Mais do que uma arte

Muitos têm a impressão de que o design é simplesmente a arte que estampa a embalagem, sem uma preocupação real em usá-lo para transmitir a identidade da marca. Porém, muito mais do que um mero layout, ele pode ser usado em seu favor para traduzir toda a essência da marca e, como colocado no ponto anterior, a sua proposta de valor. Elementos como cores, formas, imagens, fontes e até mesmo as palavras usadas podem colaborar para criar a imagem a ser transmitida.

Invista na diferenciação

Você já viu pessoas que compram de marcas por gostarem da embalagem? Um design bem elaborado, que evidencia originalidade, com certeza vai diferenciar a sua embalagem das demais. Em um universo no qual elas dominam e disputam a atenção do consumidor, ela precisa ser aquela que vai fazer a diferença no ponto de venda. Dessa forma, por meio da diferenciação, o poder de influência na decisão de compra é maior.

Design certo = marketing espontâneo

O resultado de um design original, que comunica a proposta da marca e que sabe diferenciá-la das demais é, de fato, uma ferramenta de marketing espontâneo para uma marca. Sabe aquela embalagem linda que a gente carrega com prazer pelas ruas e ainda reutiliza sempre que pode? Ela está carregando toda a sua essência, trazendo visibilidade para ela. Vale a pena investir, não é?

Então, pense bem sobre o impacto que um design inteligente tem sobre a sua embalagem e aproveite para investir nessa estratégia que pode resultar no crescimento da sua marca e no aumento das vendas.

Brand lovers: conquistando fãs para a sua marca

27 de junho de 2019

Muitos desejam simplesmente ter clientes, mas é possível ir além, convertendo-os
em fãs da sua marca. Neste post, vamos explicar qual a diferença
e dar algumas dicas do que fazer para transformá-los.

Clientes x fãs

Os brand lovers nada mais são do que os amantes da sua marca.

Para entender melhor, vamos começar falando sobre a diferença entre ambos os perfis pois, apesar do fato de os dois comprarem dela, há entre eles uma distinção crucial: o cliente pode se chatear, trocar o seu produto pela concorrência. Ao contrário, os fãs são apaixonados pela marca e não trocariam a experiência que têm com ela por outra. Eles se relacionam com a marca, identificam-se com os valores e o propósito e são fiéis a ela. Além de tudo, passam a recomendá-la para os demais a partir da experiência que têm com ela.

De repente fã?

Na verdade, converter clientes em fãs é uma longa jornada. Para se tornar um amante da sua marca, a experiência de quem compra precisa ser positiva e, de preferência, a expectativa precisa ser superada. Uma vez que a experiência foi boa, o cliente começa a interagir com a marca, tornando-se engajado.

Marca com propósito = fãs mais engajados

Clientes simplesmente compram produtos. Fãs compram propósito. E o propósito de uma marca é o seu principal legado. A sua marca pode reinventar os produtos ou serviços que oferece e, até mesmo, os preços que pratica. Mas se você tem fãs, eles te seguirão e continuarão com você, independentemente da mudança, pois o propósito permanece constante e acompanha qualquer transformação. Por isso, vale a pena investir em um propósito bem definido.

Saiba o que fazer

O primeiro passo para converter um cliente em fã é fidelizá-lo a longo prazo. Mas como? A equipe do portal E-commerce Brasil levantou quatro pontos principais a serem observados pelas marcas que desejam ter bem mais do que clientes:

  1. Consistência: seja consistente na qualidade, no atendimento, no propósito e naquilo que você promete ao cliente;

  2. Ofereça programas de personalização ou fidelidade para que ele tenha poder e opção de escolha, podendo fazer do seu próprio jeito;

  3. Construa conexão emocional a fim de melhorar a experiência e fazer com que o cliente se sinta importante;

  4. Reconheça: promova recompensas, descontos e ações promocionais. Aproveite para reconhecer aqueles que são fiéis com programas de fidelidade e incentivos.

Adquirir verdadeiros fãs da sua marca pode ser uma longa jornada.

Mas com essas dicas, começar a conquistá-los se tornará uma realidade. Experimente.

Semana Nacional do Meio Ambiente: pratique a cultura dos 5 Rs na sua rotina

6 de junho de 2019

No dia 05/06, celebramos o Dia Mundial do Meio Ambiente. A data faz o mundo inteiro refletir sobre a consciência ambiental e, por isso, vamos falar sobre um tema que tem papel fundamental no desenvolvimento da sustentabilidade no planeta: a cultura dos 5 Rs.

A origem da cultura

Com o objetivo de ampliar as práticas que visam preservar o meio ambiente e pensando que cuidar do planeta vai muito além de destinar resíduos corretamente, foi instituída a cultura dos 5 Rs. Trata-se de um projeto educativo que visa transformar hábitos rotineiros da sociedade. Segundo o Ministério do Meio Ambiente, a política prevê a redução do consumo e o reaproveitamento de materiais.

Os 5 Rs

É importante lembrar que, muito antes de começar a pensar na geração de resíduos, é preciso olhar para a causa raiz: a fonte que os gera. Questionar-se se vale a pena produzir resíduos é o primeiro passo para aderir à mentalidade. Por isso, cada um dos Rs foi criado pensando em educar a sociedade desde o princípio, quando ainda está pensando em adquirir ou produzir algo. A seguir, vamos mostrar como aderir à política na prática do seu dia a dia.

Reduzir

Para reduzir, você deve se perguntar: é necessário adquirir esse produto ou serviço? O que eu posso fazer para evitar o desperdício? Avalie se você consegue diminuir a quantidade de resíduos que gera e se realmente precisa substituir algo que já tem por um item novo. Muitas vezes, é possível trocar ao invés de comprar.

Repensar

O segundo R pode ser o mais desafiante de todos. Repensar exige parar e avaliar o que está fazendo, o que é difícil quando estamos no piloto automático, agindo sem prestarmos atenção nos nossos hábitos. Procure fazer um esforço e pare para refletir consigo: o que posso mudar na minha rotina? Consigo fazer uma lista de compras somente com os itens necessários e ser fiel a ela, sem exceder o que foi planejado? Como posso incentivar o consumo responsável dentro de casa? Preciso realmente comprar algo novo?

Reutilizar

O terceiro R está baseado na seguinte pergunta: esse lixo é lixo mesmo? Parece besteira, mas algumas coisas que jogamos fora só vão parar no lixo por se tratarem de velhos hábitos. Se pararmos para pensar, muita coisa pode ser reutilizada ou, até mesmo, ser modificada e ter a sua utilidade transformada. Basta questionar-se como é possível reaproveitar. E lembre-se: se não for útil para você, pode ser para outra pessoa.

Reciclar

O quarto R tem muito a ver com o anterior. Olhando para algo que seria descartado, pense: esse lixo pode ser transformado em algo útil? Caso sim, pense se o processo pode ajudar a gerar empregos, economizar energia e até diminuir a exploração de recursos naturais. Vale a pensa refletir se realmente precisa ser descartado.

Recusar

O quinto R também não é uma missão fácil. Recusar, logo no princípio, é uma atitude que evita prejudicar o meio ambiente no final do processo. Você pode se perguntar: preciso de tantas sacolas plásticas assim? Preciso utilizar copos descartáveis ou mais do que 2 papéis toalha para enxugar as mãos? Produtos de procedência duvidosa, que não são amigos do meio ambiente, podem ser evitados por mim?

#Ficaadica

Essa é a cultura dos 5 Rs na prática. Vale lembrar que também fala-se inclusive em 3, 4 e, até mesmo, nos 7 Rs da sustentabilidade. Independentemente do número, o que vale é o recado que a mentalidade está passando para toda a sociedade de consumidores. Mudanças de hábito são um processo difícil. Porém, são necessárias para a preservação da nossa casa, o nosso planeta.

Consumo: o papel da consciência ambiental para o sucesso das marcas

24 de maio de 2019

Plástico nas profundezas do oceano

Recentemente, uma expedição recordista com submarino alcançou a maior profundidade já atingida por um ser humano. A 11 mil metros de profundidade, na Fossa das Marianas, além de indícios de novas espécies, o mergulhador Victor Vescovo encontrou resíduos plásticos, incluindo sacolas.

A notícia correu o mundo e intensificou a polêmica que provoca cada vez mais reflexões sobre o consumo sustentável. Mas não é só o planeta que pede por mudanças; os consumidores têm ditado as tendências e práticas sustentáveis adotadas pelas empresas.

Sustentabilidade como valor

Sustentabilidade é um valor que cresce no nível de exigência dos consumidores ao buscarem soluções em produtos e serviços. Itens de plástico, como sacolas e canudos, por exemplo, já têm sido abolidos por redes e empresas do mundo inteiro na tentativa de reduzir o impacto ambiental causado. Hoje, além de ações que favoreçam o consumo consciente e a preservação do planeta, é necessário que as companhias incorporem nos próprios valores a sustentabilidade, buscando estar em conformidade com as exigências de quem compra.

Consumidores estão mais interessados no apelo consciente das marcas e procuram maior envolvimento com elas quando o assunto é responsabilidade socioambiental. Marcas com propósito sustentável têm mais chances de conquistarem clientes, apontam os estudos. A Euromonitor International, instituição de pesquisa, das 10 tendências lançadas no início do ano, listou cinco diretamente relacionadas ao consumo consciente em suas previsões de consumo para 2019.

O propósito é quem decide

O que as pessoas buscam hoje é o propósito embutido no produto ou serviço, a constante busca da marca pela responsabilidade socioambiental e os valores, os quais devem ser intrínsecos à ela. Na hora da compra, estes aspectos serão decisivos e ajudarão a fazer do consumidor um cliente da sua marca.

Marcas que têm raízes, propósito e razão de ser estão à frente das empresas que ainda não se preocuparam com estes aspectos. Acompanhar essa transformação cultural demanda inovar, começando pela construção de uma marca consciente e comprometida com o planeta e com o consumidor.

EMBALAGEM PODE INFLUENCIAR DECISÃO DE COMPRA

3 de maio de 2019

Segundo pesquisa da Two Sides Brasil, o tipo da embalagem utilizada por uma marca pode ser decisivo na hora de levar um produto para casa. Saiba por quê.

Sobre a pesquisa

A Two Sides Brasil é uma ONG atuante em países de cinco continentes que tem como objetivo promover a produção e o uso responsável da impressão e do papel, trazendo temas voltados ao mercado de produtos impressos. Recentemente, a organização divulgou uma pesquisa realizada com 400 consumidores que aborda a influência das embalagens na decisão de compra.

De acordo com os dados levantados, em cerca de 99% dos casos ela influencia nesse processo com maior ou menor frequência. Dos entrevistados, quase 42% afirmaram que a influência é frequente. E é justamente esse fator que tem motivado a indústria a investir de forma crescente para aperfeiçoar cada vez mais os produtos ofertados, em vista do poder apresentado pelas embalagens na decisão do consumidor.

Atributos que mais influenciam

Segundo os entrevistados, os aspectos que mais influenciam na compra são a capacidade de proteção do produto, as informações que trazem e a facilidade de abertura e fechamento. Além disso, o destaque vai para o tamanho, a aparência e a elaboração.

Os dados também evidenciaram os materiais utilizados na produção de embalagens que mais agradam o consumidor: capacidade de proteção, aumento da durabilidade, peso, praticidade, aparência e possibilidade de reciclagem ou reutilização, além de menor impacto ambiental causado. Os resultados revelam: 4 em cada 10 entrevistados preferem o papel. O plástico, por sua vez, foi apontado como o material menos amigável ao meio ambiente.

Sustentabilidade também interessa

A pesquisa também mostrou que outra preocupação é em relação aos resíduos gerados pelas embalagens e seu processo de reciclagem. O público, quando questionado, afirmou que as embalagens com maior índice de descarte incluem pacotes de cigarro, copos de café e sacolas plásticas. Por outro lado, com um dos menores índices de descarte, foram apontadas as sacolas de papel.

Para a Two Sides, “o papel, por ser proveniente de árvores plantadas e gerenciadas de forma sustentável, é um meio de comunicação excepcionalmente poderoso, de fonte renovável, reciclável e biodegradável.”

Sacola de papel: reutilização torna-se investimento

O professor Fábio Mestriner fundamenta, na obra Design de Embalagem – Curso Avançado, que uma sacola de papel pode ser reutilizada até cinco vezes pelo consumidor. Essa reutilização é motivada pelos aspectos destacados acima, vistos como positivos por quem consome. E, no final da história, quem sai ganhando é o lojista.

Mais do que um investimento em aparência e praticidade, a sacola de papel é um investimento em marketing que valoriza tanto a sua marca quanto o seu público. Para saber mais sobre o assunto, clique aqui.



CENTRO DE DISTRIBUIÇÃO DA PRINTBAG UTILIZA TECNOLOGIA SUSTENTÁVEL MUNDIAL

4 de abril de 2019

Nosso CD, situado em Camboriú/SC, tornou-se autossustentável recentemente. A estrutura recebeu altos investimentos para a instalação de um sistema fotovoltaico a partir da energia solar. Entenda a seguir.

Contextualizando: gás carbônico e efeito estufa

O gás carbônico (CO2) faz parte do nosso dia a dia. Sua emissão por meio de veículos e da queima de combustíveis fósseis, por exemplo, associada à emissão de gases como o metano e o monóxido de carbono, intensifica o quadro mundial de efeito estufa. A soma desse impacto, gerada por todos os gases liberados em uma atividade, é representada pelo CO2 equivalente (CO2e).

Funcionamento do sistema

O objetivo da instalação do sistema fotovoltaico é neutralizar o carbono.

Aqui no Brasil, 98,3% da energia elétrica consumida é proveniente do Sistema Interligado Nacional (SIN). Esse consumo apresenta um impacto ambiental que pode ser mensurado por meio dos fatores de emissão de CO2.

O sistema fotovoltaico, no contexto da geração distribuída de energia elétrica, faz com que a unidade consumidora gere a sua própria energia. Dessa forma, funciona ora fornecendo energia, ora consumindo-a. Em geral, impacta no consumo porque evita ou diminui o consumo do SIN.

O cálculo da quantidade de CO2 evitada por uma instalação fotovoltaica considera a energia elétrica gerada em um período de tempo e o fator de emissão médio de CO2 do SIN nesse mesmo período. Mesmo sendo encarado precipitadamente como um projeto intangível, é possível comparar seus resultados relacionando a quantidade de emissão de CO2 a equivalências de sustentabilidade ambiental, que comprovam a eficiência do sistema.

Autossustentabilidade na Printbag

Pensando em dar um grande salto na sustentabilidade e potencializar ações que reduzam o impacto ambiental, a Printbag Embalagens viu no sistema fotovoltaico um projeto benéfico para a empresa, para o meio ambiente e para a comunidade.

O Centro de Distribuição da indústria é a estrutura responsável por realizar os despachos de todos os itens produzidos que serão entregues em todo o território nacional. Com capacidade de armazenamento de mais de 12 milhões de embalagens, o objetivo da instalação do projeto é gerar energia limpa e renovável a custo zero, após o investimento inicial, tornando o CD autossustentável.

Gerando energia a partir da captação de radiação solar via placas fotovoltaicas, o sistema passa a alimentar toda a estrutura do centro.

A estimativa de retorno do investimento é de 4 a 5 anos, e a própria geração pagará o investimento realizado. Após esse período, haverá somente o custo de despesas fixas da central elétrica do estado.

A busca por sermos corretos ambientalmente, justos socialmente e viáveis economicamente faz parte dos nossos valores. Para conferir outras ações de responsabilidade socioambiental, acesse aqui.

Referência técnica: Tek Energy

EDUCA PRINTBAG, O PROGRAMA DA EDUCAÇÃO COMPARTILHADA

Educar pessoas é a base para melhorar. Acreditando nisso, nossa equipe pensou em como poderia treinar nossa comunidade de colaboradores para os desafios e oportunidades que surgem todos os dias no ambiente de trabalho.

Compartilhar como princípio

Apenas transmitir o conhecimento não atenderia ao objetivo do programa. Por isso, a ideia foi ainda mais desafiadora: compartilhar o conhecimento. A resposta foi a idealização do Educa Printbag, o programa da educação compartilhada.

Com o objetivo de garantir a excelência no trabalho do nosso time, o programa passa a ser uma ferramenta de ensino e aprendizagem de qualidade que capacita o time por meio do compartilhamento.

Para isso, o Educa Printbag leva à sala de treinamento colaboradores que têm potencial para compartilhar conhecimentos em áreas específicas, parceiros da empresa e pessoas externas.

Satisfação dos professores

O professor Tiago Damilano, que também é colaborador da Printbag, ressaltou: “é engrandecedor poder compartilhar conhecimento sobre o Excel com a nossa equipe. O intuito é apresentar as inúmeras possibilidades dessa ferramenta e, consequentemente, promover um aumento de produtividade no nosso dia a dia”.

Reflexos no time

O curso já contribuiu para facilitar a rotina dos colaboradores.

Para Francisco Rodrigues, do setor de Orçamento, a experiência foi positiva. “O curso foi muito interessante e ministrado de forma descontraída e leve, fazendo a interação entre aluno e professor tranquila e proporcionando uma ótima experiência”, declarou.

A partir de agora, começamos a trilhar o início de uma jornada longa, na certeza de que o conhecimento compartilhado garante a excelência do nosso trabalho.

Conheça melhor como trabalhamos.

10 curiosidades sobre os direitos do consumidor

14 de março de 2019

Hoje, dia 15/03, é comemorado o Dia Internacional do Consumidor.

Muita gente desconhece os diretos que tem na hora de adquirir algo novo. Por isso, veja as curiosidades que reunimos para você ficar bem ligado na sua rotina de consumidor:

1 – Perdi meu ticket de estacionamento: e agora?

Você sabia que, nessa situação, é obrigação do estabelecimento controlar o período de permanência do cliente? Dessa forma, somente o valor da estadia poderá ser cobrado. Cobranças adicionais são consideradas práticas abusivas perante o direito do consumidor.

2 – Perdi ou extraviei a minha comanda

O estabelecimento também não poderá cobrar do consumidor multa em valor excessivo. Aliás, essa prática é considerada ilegal perante o Código de Defesa do Consumidor. Assim como no caso anterior, é de responsabilidade do estabelecimento controlar os gastos do consumidor, e não o contrário.

3 – Veículo furtado ou danificado em estabelecimento comercial

Nesse caso, o responsável por reparar o dano ou o furto é o próprio estabelecimento, já que a situação ocorreu dentro do estacionamento.

4 – Lanche no cinema: pode?

Pode, sim. É permitida a entrada em cinemas com lanches comprados em outros estabelecimentos. Mas atenção: os cinemas têm direito de proibir a entrada com garrafas de vidro e bebidas alcoólicas, desde que também não disponibilizem esses produtos para venda.

5 – Taxa de desperdício

O Código de Defesa do Consumidor garante que a cobrança por sobra de comida no prato é considerada prática abusiva. Ou seja, apesar de ser fundamental ter bom senso na hora de fazer o seu prato, a cobrança é ilegal.

6 – A garantia estendida é obrigatória?

Não, e a sua contratação é facultativa. O consumidor deve ser informado a respeito dessa garantia no momento da contratação. Também é proibido condicionar a compra do item à contratação da garantia estendida, assim como condicionar concessão de desconto no preço mediante a sua aquisição.

7 – Comprei algo e me arrependi

O consumidor que realizou a compra fora do estabelecimento comercial (Internet, catálogo, telefone etc) tem até 7 dias para desistir do produto, contando a partir da data de recebimento. Para tanto, o item precisa estar intacto.

8 – Achei algo estranho na minha refeição

Caso encontre algum corpo estranho na refeição comprada em estabelecimento, você tem total direito de exigir uma nova ou ter o seu dinheiro de volta, independentemente da quantidade consumida.

9 – Meu pacote de viagem foi cancelado na véspera

Caso seu pacote turístico seja cancelado às vésperas da viagem, você tem direito à restituição integral do valor adicionado à indenização por danos morais.

10 – Cobrou errado, pagou dobrado

O Código de Defesa do Consumidor afirma: caso seja cobrada quantia indevida ao consumidor, ele tem o direito de receber valor igual ao dobro do que pagou indevidamente, acrescido de correção monetária e juros legais, salvo hipótese de engano justificável.

INOVAR PARA MELHORAR

6 de março de 2019 , , , ,

No mercado atual, inovar não é uma questão de importância. É de sobrevivência.

“Inovação”. Segundo os dicionários, o termo traz consigo os significados que já conhecemos: “introduzir novidades; criar; inventar; renovar”.

Inovar: o que achamos que é?
De fato, para muitos, inovar é apenas um sinônimo de revolução tecnológica e de transformação de processos complexos. Mas se fosse assim, não seria possível inovar nem nos detalhes e nem com frequência, já que as transformações grandes vêm com o tempo. Porém, grandes transformações não incluem somente transformações grandes.

O conceito real
Muito mais do que uma transformação, precisamos entender que a inovação representa um processo contínuo de melhorias. Inovar é transformar efetivamente processos simples em processos mais claros. Norteada por essa mentalidade é que a cultura inovadora vai, aos poucos, sendo disseminada e “desmascarada” tanto no ambiente corporativo quanto no dia a dia pessoal, na medida em que compreendemos que inovar é mais simples do que julgamos ser.

Printbag: a constante busca por melhorar
Aqui na Printbag, estamos constantemente revendo nossos processos para que os resultados sejam melhor percebidos pelo cliente. Entendemos que os cuidados com o nosso time de colaboradores, a qualidade dos produtos e serviços oferecidos, o atendimento personalizado ao cliente e as ações de responsabilidade socioambiental, por exemplo, precisam de pequenas e grandes melhorias contínuas, ou seja, precisam de inovação. E movidos pela inovar, encantar e apaixonar é que buscamos melhorar sempre naquilo que fazemos de melhor.

Portanto, para se manter como concorrente no mercado, não basta ter ideias e agir. É necessário identificar a todo instante melhorias que podem ser praticadas com pequenos gestos inovadores, que começam por você mesmo.

Também curte inovar? Acompanhe a Printbag aqui pelo nosso site e também pelas redes sociais.

CURIOSIDADE ORIENTAL: VOCÊ JÁ OUVIU FALAR NOS FUKUBUKUROS?

8 de fevereiro de 2019

Tendência no Japão, entenda por que os fukubukuros são as sacolas mais amadas do país.

Cada vez que chega o ano novo no Japão, as filas de diversas lojas do país tornam-se quilométricas. O motivo de tanta ansiedade e desejo de consumo? Nada menos do que os fukubukuros, as sacolas que levam os japoneses à loucura.

Conheça os fukubukuros
Em seu conteúdo, os fukubukuros trazem itens surpresa. Isso mesmo: os consumidores não sabem quais produtos vêm dentro das sacolas e nem as suas características. Mas independentemente se vão agradar ou, até mesmo, servir (no caso de o conteúdo ser um sapato, por exemplo), o fato é que os japoneses estão muito mais interessados em comprar algo que desconhecem do que algo que veem. E é aí que está a graça da tendência oriental.

O início da tradição oriental
Os fukubukuros são vendidos a partir do dia 1º de janeiro por diversas lojas de diferentes segmentos no Japão, e o conteúdo das sacolas varia conforme os produtos vendidos em cada loja. A tradição teve início quando o comércio precisava eliminar o estoque antigo em função do novo ano que se iniciava. Aos poucos, os japoneses foram aderindo ao costume e fizeram da ação comercial uma verdadeira febre nacional.

A graça está na surpresa
O preço das sacolas surpresa podem variar de poucos a centenas de dólares. Mas o fato de comprar algo que não se vê acaba não assumindo importância para os consumidores. Aliás, é justamente a emoção de não saber o que vem dentro dos fukubukuros que mantém a tradição de pé há tantos anos e faz a alegria dos consumidores e, é claro, do comércio japonês.

Quer ver mais curiosidades do universo das embalagens? Basta acompanhar a Printbag aqui no blog e nas redes sociais.